PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 17 DE OUTUBRO DE 2017 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

José Colombo Garboggini



José Colombo Garboggini
Salvador
Médico
09/06/1888
27/09/1978

	Nascido em Salvador em 09/06/1888 e falecido  na Bahia em 27/09/1978. Médico. Casado com Edith Bastos do Amaral Garboggini, nascida em Belém em 19/09/1902 e falecida em Piracicaba em 24/06/1954. Filhos: Afrânio, Aldo, José, Maria Edith, Maria Helena, Marilu, Milton, Myriam, Tarcisio, Vicente. 

	Era filho de José Juvêncio Garboggini, descendente de Italianos de Gênova e Guilhermina da Conceição Desterro de Oliveira Garboggini. Era criança quando sua mãe faleceu. Após obter o diploma de bacharel em ciências e letras pelo ginásio da Bahia, em Salvador, ingressou em 1911 na Faculdade de Medicina da Bahia. Tornando-se doutor após defesa de tese em 1916. 
	
	Começou a clinicar em seu estado natal, na cidade de Juquié, mas decidiu transferir-se para Piracicaba e aqui chegou com a família em 1926. Precedendo essa transferência,deu-se seu casamento na Bahia com a Irma do cientista Afrânio do Amaral, Zoólogo renomado que dirigiu o Instituto Butantã de São Paulo. Sabedor da abertura de uma vaga de medico em Piracicaba, na Estrada de Ferro Sorocabana, apresentou-se como candidato e foi aprovado para ocupa-la. 

	Instalou em Piracicaba o seu consultório a rua Moraes Barros, 53 e residiu com seus familiares em um casarão na esquina da rua Boa Morte com a rua Dom Pedro II, onde posteriormente também atendeu sua clientela. A 09/02/1929 tornou-se vice diretor clinico e medico da enfermaria de mulheres da Santa Casa de Misericórdia local, assim como do hospício Barão de Serra Negra. 

	Exerceu o cardo de diretor clinico da Santa Casa de 1930 a 34, exonerando-se a 25/01/1935. Da sua vida profissional ao longo de 62 anos, a maior parte, 53 anos, transcorreu em Piracicaba. Exerceu a medicina junto a Companhia Paulista de medicina, junto a Companhia Paulista de Estrada de Ferro, ao Engenho Central, a Usina Monte Alegre e ao Lar dos Velhinhos, tendo sido diretor deste ultimo. 

	Foi vereador de 1948 a 51 e um dos fundadores da Associação Regional de Medicina de Piracicaba. Homem de profundas convicções religiosas, fez parte da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Matriz de Santo Antonio e esteve muito ligado aos padres do seminário seráfico e do Convento do Coração de Jesus. Recebeu o titulo de “Cidadão Piracicabano” concedido pela Câmara Municipal, a medalha de “Honra ao Mérito” da Regional de Piracicaba da Associação Paulista de Medicina e uma homenagem da Governadoria Distrital do Lions Clube. 

	Vários dos seus filhos tiveram papel de destaque na sociedade piracicabana, Tarcisio foi professor titular de química da Escola Normal Sud Menucci. Extremamente culto, foi um dos fundadores e baluartes do Clube Piracicabano de cinema, em meados do século, e faleceu em São Paulo. Afrânio nascido em Conchas em 14/01/1924 e falecido em Piracicaba em 22/08/1989, engenheiro civil, projetou-se como notável critico de arte do “Jornal de Piracicaba”, ao longo de três dezenas de anos. Estudou na escola de engenharia de Ouro Preto, e na Politécnica de Salvador, onde foi professor e pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Marilu foi docente da Faculdade de Odontologia local. 

	A esposa de José Colombo Garboggini, mulher dotada de extraordinária cultura, foi durante muitos anos, professora de Frances no curso clássico da Escola Normal Sud Menucci, e dirigiu a Ação Católica de Piracicaba. Pedroso, Jornal de Piracicaba: “Um dos médicos da pobreza de Piracicaba... foi um grande homem, um grande medico, um exemplo a seguir de dignidade, de bondade”. 

	Há uma rua com seu nome, no Jardim Flores, junto a avenida Thales Castanho de Andrade.